sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Deixados para trás, de Tim LaHaye e Jerry B. Jenkins

Num dia normal como outro qualquer, passageiros desaparecem de um voo para a Inglaterra, em pleno ar, deixando apenas suas roupas como prova de que estiveram lá. Sem informações ou explicações, os pilotos são instruídos a dar meia-volta e aterrissar no aeroporto O'Hare. Chegando lá descobrem que não foi um evento isolado; os desaparecimentos aconteceram em todos os cantos do mundo.

A história reveza entre dois pontos de vista: Rayford Steele, o piloto do 747, e Cameron Williams, repórter famoso do Semanário Global. Enquanto Rayford luta para encontrar sua família, Buck (como o repórter é mais conhecido) tenta botar algum senso em tudo aquilo.

Em meio a várias teorias como abdução alienígena e ataque biológico, Rayford descobre que, na verdade, o evento é o Arrebatamento bíblico. Ele, sofrendo de culpa e remorso por não ter sido um verdadeiro cristão, abraça a religião e tenta convencer outros a aproveitarem a segunda chance que lhes é dada.

Quando eu comecei a ler Deixados para trás, não estava dando muita bola para o livro. Pensei que ia ser um livro religioso maçante, que tentaria martelar "a verdade" em minha cabeça de forma arrastada e enervante.

Pelo contrário. Deixados para trás, apesar do ritmo lento (o que é aceitável, já que a série tem 13 volumes), é de uma leitura fácil e fluida, que não permite que você largue o livro com tanta facilidade assim.

O melhor de tudo é que ele vai crescendo em você. Conforme os dias caóticos vão se passando e os personagens sofrem e buscam por respostas, você vai se apegando a eles de tal forma, que mal pode esperar para presenciar os acontecimentos que aquele dia irá desencadear.

Levei o primeiro livro para a praia. Quando eu acabei, fiquei muito brava comigo mesma por não ter levado o segundo volume. O final do livro (que eu não vou contar o que é) é tão sensacional, que eu fiquei de boca aberta por vários minutos. Eu simplesmente não consegui acreditar na qualidade dessa história.

Uma ficção muito bem escrita. Só espero que a qualidade não caia conforme os volumes vão chegando.